Especial filmes: '58 Plymouth Fury (Christine)

O especial filmes desse mês traz um modelo de arrepiar, apelidado de carro assassino, vamos então a história dele, ou melhor, dela.

Stephen King é um mestre na arte de escrever livros de suspense e/ou terror, não é a toa que vários dos seus romances já foram adaptados para o cinema, é o caso de Christine. O personagem em questão é um Plymouth Fury 1958 que é encontrado largado ao lado de uma casa por um nerd, Arnie Cunnigham, que a compra para seu uso diário. A história se passa entre os anos de 1978 e 1979 em uma cidade do estado da Pensilvânia, Estados Unidos, onde o carro estabelece uma relação doentia com o novo dono que o (a) levará a eliminar todos que possam lhe trazer algum tipo de dor. Em relação ao carro, o Plymouth Furry de 1958 é um clássico, suas linhas representam as tendências da época com a sua traseira em forma de rabo de peixe, dianteira com um desenho intimidador, e um interior confortável com um belo painel. A mecânica era composta por varias opções de motores, sendo que a mais desejada era o V8 de 5,8 litros (350 pol3.) com carburador ou injeção de combustível que gerava 305 e 315 cv de potência. Na Hot Wheels eu apresento o '58 Plymouth da série Retro Entertainment 2015 com pintura vermelha e rodas WWTRR's.














As histórias do filme e do livro divergem em alguns aspectos sobre a "consciência" do carro, no livro o mesmo é possuído pela alma do penúltimo dono, e no filme não existe uma afirmação do que o faz ser tão demoníaco, sabe-se apenas que desde a sua finalização na linha de montagem já era mau, matando inclusive um dos montadores asfixiado. Nos dias atuais o longa é um grande clássico do cinema, e o carro muito admirado.

Em relação a mini, em 2013 a Hot Wheels lançou essa mini como o Plymouth Belvedere 1958 na série Boulevard e nessa não faz a citação do nome completo do carro, comparando as duas versões reais percebe-se que a diferença entre o Belvedere e o Fury são mínimas, e se resumem a diferenças no interior, externamente apenas a cor, os Fury fabricados naquele ano não tinham a opção vermelha que o longa mantém para deixá-lo digamos, exclusivo. Dessa forma, na Hot Wheels esse exemplar é o Christine, principalmente porque tem a placa do carro do filme. Para quem gosta do carro então vale a pena ter os dois modelos que agregam valor e história a coleção.

Esse exemplar eu consegui em uma loja PBKids de Salvador nessa semana.

Conheça a história do carro em Fúria ao entardecer no site Best Cars (em português).

Conheça a história do romance em Christine no site da Wikipedia (em português).


Comentários

  1. O CARRO ESTÁ COM UM BICADINHO NO TETO?
    O MEU VEIO ASSIM

    FÁBIO

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas